Aí é uma decisão de cada empresa, dependendo muito de seu fluxo de caixa. Sempre o mais indicado é não deixar acumular pagamentos. Neste cenário, havendo recursos, o melhor seria não esperar o prazo prorrogado.

Porém, na atual situação, que muitas empresas podem ter seu financeiro impactado pela paralisação, é possível também que a opção de aproveitar o adiamento do prazo faça sentido, já que as empresas poderiam aproveitar e ganhar um fôlego para equilibrar as contas em um período de baixo movimento.

Mas sempre é bom alertar que, optando pela prorrogação do prazo, poderá haver lá na frente um acúmulo de pelo menos duas guias para pagar em determinados meses, já que o governo ainda não se pronunciou sobre isso. Assim, realmente é necessário fazer contas para analisar o que faz mais sentido no seu caso.

Encontrou sua resposta?