Mesmo com as vantagens da Medida Provisória 927, provavelmente muitas empresas ainda passarão por dificuldades e precisarão demitir seus funcionários. No caso de desligamento, as vantagens e parcelamentos que foram oferecidos não poderão ser usados.

Caso o colaborador esteja voltando de suas férias, o adicional de um terço das férias que poderia ser pago junto com a gratificação de Natal deverá ser integralmente pago na rescisão. O pagamento daquele mês também, que antes poderia ser feito no quinto dia útil do mês seguinte, precisará ser quitado junto com a rescisão.

O FGTS de março, abril e maio, que tinham a opção de serem parcelados em 6 vezes, a partir do mês de julho também deverá ser pago no ato rescisório, sem deixar nenhuma dívida entre empresa e colaborador.

Porém, por outro lado, como prevê o Art. 501 da CLT, quando existe algum motivo de força maior, como é o caso da pandemia do COVID-19, a multa rescisória cai de 40% para 20%.

Encontrou sua resposta?