A Reforma da Previdência de 2019 trouxe junto com ela, entre outras alterações, a mudança na tabela e no cálculo das contribuições ao INSS. Assim, a partir de março/2020 passou a estar vigente uma nova tabela de INSS.

A grosso modo, com as mudanças, quem ganha menos vai contribuir menos para o INSS. E quem ganha mais, vai contribuir com uma alíquota maior.

Veja a nova tabela:

A maneira de realizar o cálculo do INSS também foi alterada. Agora ele é progressivo e é necessário utilizar todas as faixas e alíquotas até quando chega ao valor do salário, obedecendo os limites, e somá-los no final.

Um exemplo:

Para um colaborador que tem o salário de R$ 3.000,00, a nova forma de calcular será:

1ª Faixa: R$ 1.045,00 x 7,5% = R$ 78,37;

2ª Faixa: R$ 1,045,00 a R$ 2.089,60 - (São subtraídos os valores desta faixa)
R$ 2.089,60 – R$ 1.045,00 = R$ 1.044,60
Então R$ 1.044,60 é o valor que deve ser calculado para esta faixa
Assim, R$1.044,60 x 9% = R$ 94,01;

3ª Faixa: R$ 2.089,61 a R$ 3.000,00 - (São subtraídos os valores desta faixa)
R$ 3.000,00 – R$ 2.089,61 = R$ 910,40
Então R$ 910,40 é o valor que deve ser calculado para esta faixa
Assim, R$ 910,40 x 12% = R$109,24.

Total de INSS a recolher: R$ 78,37 + R$ 94,01 + R$ 109,24 = R$ 281,62

Alíquota

A alíquota também foi alterada e, para identificá-la, é necessário dividir o valor do INSS pelo valor remuneração e multiplicar por 100. Utilizando o exemplo do salário de R$ 3.000,00 o cálculo seria este:

R$ 281,62 (total do INSS) / R$ 3.000,00 (total da remuneração) x 100 = R$ 9,39%

Observação: Não houve mudanças para a alíquota de pró-labore, portanto ela continua em 11%.

Clientes Conube

Para quem é cliente da Conube, antes de mais nada, cabe explicar que estamos apenas informando sobre as mudanças implementadas e os novos cálculos, mas você não precisa se preocupar porque os setores responsáveis já está cuidando de tudo para a sua empresa.

  • Caso tenha ficado alguma dúvida, estamos à disposição para esclarecer.
Encontrou sua resposta?